Como as escolas podem ser mais ecológicas?

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

No ambiente escolar, a sustentabilidade deve ser teoria e prática

 ‌

O ano, 1972. O lugar, Estocolmo, Suécia. A Organização das Nações Unidas (ONU) reuniu líderes de diversos países em sua primeira conferência sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nesta data, quase cinquenta anos atrás, a natureza já reagia às explorações sofridas e o planeta inteiro entendia que era preciso unir forças se quisesse sobreviver. Estadistas reconheceram a necessidade de adaptarem suas economias e culturas a princípios ecológicos. Foi assim que surgiu o conceito do ecodesenvolvimento.  

Tempos depois, em 1987, a primeira-ministra da Noruega, Gro Harlem Brundtland continuou a discussão ambiental e mencionou pela primeira vez o desenvolvimento sustentável como uma solução a fim de reverter o caos. Esse termo diz respeito a nossa capacidade de satisfazer as necessidades do presente sem comprometer a sobrevivência no futuro. Ou seja, viver sem explorar a natureza.  

As pautas ecológicas ganharam força no século passado, mas continuam urgentes em nossos dias. Desmatamentos e poluições seguem comprometendo a qualidade de vida em nosso planeta, ameaçando a biodiversidade, extinguindo recursos, provocando catástrofes e acelerando o aquecimento global. 

No entanto, se engana quem pensa que apenas os líderes de estado devem pensar sobre essas questões e propor soluções. O desenvolvimento sustentável, ou sustentabilidade –  como o conceito também costuma ser conhecido –  é uma prática cotidiana que pode começar dentro de casa e, inclusive, dentro das escolas. 

 

O que isso tudo tem a ver com sua escola? 

Uma escola comprometida com o meio-ambiente e a sustentabilidade tem potencial para impactar gerações afinal, sobre ela repousa a responsabilidade de educar. Quando uma criança ou adolescente aprende a respeito da ecologia, muda os seus hábitos e influencia sua família a fazer o mesmo. 

O desenvolvimento sustentável é um assunto interdisciplinar. Professores de diversas áreas podem pautar o tema em suas aulas, alertando sobre a importância de preservar a natureza e sugerindo ações com essa finalidade. Todavia, a sustentabilidade deve ir além da teoria e assumir a dimensão prática. 

Mas como construir uma escola ecologicamente correta? Confira algumas iniciativas que podem ser aplicadas e praticadas dentro de sua instituição:

 

1- Reduza o uso de papel

Muitas árvores são derrubadas para que haja extração de celulose. Para evitar que isso aconteça, troque a papelada por arquivos no computador, por exemplo. Imprima apenas quando for necessário. Conscientize tanto colaboradores quanto alunos sobre o uso consciente e moderado do papel.

 

2- Adote coletores seletivos

Separar o lixo de acordo com o material de sua composição faz com que ele seja adequadamente destinado. Seja para reciclagem, ou para outros fins como reuso ou adubo. Distribua lixeiras coloridas e explicativas por toda extensão da escola. Ensine seus alunos sobre onde deixar cada resíduo e incentive-os a fazer a coleta seletiva em casa também.

 

3- Economize água e energia elétrica

Crie movimentos de conscientização sobre a economia desses recursos. Espalhe avisos pela escola, recorra à tecnologia ao adotar dispositivos que se ativem por sensores de presença. Faça palestras que abordem essas questões. As possibilidades são inúmeras. Você verá que, além de preservar a natureza, sua escola reduzirá despesas. A sustentabilidade funciona como uma via de mão dupla. 

 

Amor pela natureza

Além de todas as iniciativas mencionadas, sua escola pode proporcionar atividades a céu aberto e cultivar uma horta. Dessa forma, seus alunos desenvolverão afeto pela natureza e entenderão por que é tão importante preservá-la.

Explore outros conteúdos

A Plataforma de Ensino Digital – Weekly – é uma solução inovadora para o ensino on-line. Proporciona um ambiente virtual de aprendizagem e o acesso a diversos recursos digitais conectados ao Sistema de Ensino Interativo.